O Perigo da procura de informações sobre saúde online

Procurar informações na internet acerca dos mais variados tipos de temas, já é parte integrante do dia a dia de qualquer pessoa. No entanto, particularmente quando o assunto é saúde, é necessário ter cuidados redobrados e não acreditar em tudo o que lê.

Numa investigação recente, que abordou o tema da pílula do dia seguinte, foram examinados websites e vídeos disponíveis no YouTube. De toda a informação disponível analisada, poucos foram os que apresentavam dados rigorosos.

perigo-procura-informacoes-sobre-saude-online

Foi feito também um teste idêntico, mas na área dos problemas cardiovasculares e chegou-se à conclusão que, dos 1.152 endereços observados, apenas 4,3% tinham informações corretas.
Entre os tópicos mais pesquisados em cardiologia, percebeu-se que a hipertensão arterial é o mais procurado. De entre os 281 vídeos sobre essa temática, somente 20 (7,1%) estavam minimamente adequados, com informações reais.

O tema “arritmia”, revelou 561 vídeos, dos quais só 18 (3,2%) tinham informações corretas. Já no caso da temática relacionada com insuficiência cardíaca, foram observados 310 vídeos, mas só 23 (7,4%) continham informação correta.

O perigo é que, em vez de clarificar os visitantes, este tipo de vídeos podem pôr em risco a saúde do cibernauta. Tudo se torna ainda mais perigoso, quando o mesmo estudo prova que a generalidade destes websites contêm informações incorretas, que podem pôr em risco a saúde das pessoas que o virem.

O “Dr. Google”

Nos dias de hoje, todos recorremos ao “Dr. Google”. E quando o tema é a nossa saúde ou a de familiares, o riscos é gigantesco, principalmente porque as informações podem ser erradas e porque os tratamentos variam de caso para caso. O que cura um doente, pode não curar outro. Existindo até a possibilidade de lhe fazer pior.

Existe hoje, quem, depois de pesquisar na web, decida por si próprio modificar o tratamento e por vezes, até o medicamento prescrito pelo médico!

Outra fatia deste tipo de pessoas, quando em dúvida, utiliza em simultâneo o tratamento do médico e o tratamento encontrado num qualquer website. Existem mesmo cibernautas que pura e simplesmente já nem procuram ajuda de um profissional e automedicam-se.

O que realmente se deve fazer

Para quem deseja saber mais sobre os seus sintomas, pode efetivamente fazê-lo, mas o aconselhado é que se efetuem as pesquisas sobre questões de saúde, como as cardiovasculares, em websites da especialidade e de fontes com credibilidade, como por exemplo o website da Sociedade Portuguesa de Cardiologia.
Para além disso, o paciente tem todo o direito de levar o resultado das suas pesquisas para tirar dúvidas e debatê-las na consulta com o seu médico. Desta forma, é possível avaliarem o material encontrado e perceber se é ou não válido para o seu caso específico.
Do lado dos médicos fica a ideia de que é importante esclarecer ao máximo os seus pacientes de forma a que estes não venham para casa com dúvidas.

Autocarros elétricos que obtêm energia da estrada

Enquanto a maior parte das cidades do mundo e as próprias empresas de aluguer de autocarros ainda estão a ponderar a adaptação à nova tecnologia dos autocarros elétricos de forma a fazer com que o sistema de transportes públicos trabalhe mais eficientemente, seja mais barato e sustentável, a Coreia do Sul já se encontra a desenvolver novas maneiras de melhorar a forma de carregamento das baterias desses transportes. Em Gumi, cidade que se encontra a sul da capital Seoul, os seus autocarros já obtêm a sua energia/combustível a partir da mesma estrada em que se deslocam.

Concebido pelo Instituto Sul-Coreano das Ciências e Tecnologias, conhecido como KAIST, este inovador sistema utiliza cablagens subtérreas para gerar um campo magnético, a partir do qual a viatura consegue captar a potência essencial para operar. O projeto foi apelidado de OLEV (Online Electric Vehicle) e dispensa a utilização das baterias demasiado pesadas dos autocarros elétricos. Para além da  economizar o tempo usualmente dispendido para recarregá-las, que pode atingir as 10 horas.

Os cabos, que são colocados ao longo de todo o percurso percorrido ou unicamente em locais específicos, tais como paragens inevitáveis e zonas de semáforos, ativam o campo magnético unicamente quando revelam a presença do autocarro, que preserva sempre um intervalo de 20 cm do alcatrão. Desta maneira, a energia, para além de não ser desaproveitada, apresenta uma eficácia de transferência de 80%.

Os autocarros elétricos estão a ficar cada vez mais eficazes, mas no entanto, o seu  problema mais vincado continua a estar ligado à questão das baterias, tanto relativamente à sua autonomia como também aos custos associados. Utilizando este sistema inovador, as baterias serão muito mais pequenas, reduzindo desta forma os custos e a dependência de carregamentos permanentes.

Como um atelier de arquitetos pode ter um website eficaz que converte visitantes em clientes

É possível utilizar o website de um atelier de arquitectos lisboa para atrair novos clientes e projetos online?
Sim, claro! E com a evolução no marketing online que tem vindo a acontecer, esta vai ser sem dúvida uma das principais fontes de negócio para qualquer ramo de atividade!
Claro que a dúvida, por agora, é sempre a mesma: Mas será que os meus potenciais clientes fazem buscas no Google para encontrar os profissionais da minha área, para um projeto de construção?

As 3 fases de um potencial cliente

Para responder a esta pergunta, precisamos de analisar as 3 fases pelas quais um potencial cliente passa quando inicia o planeamento de um novo projeto.

Estas fases podem ser classificadas da seguinte forma:

1) A ideia do projeto
2) Precisa de aconselhamento específico
3) Sente-se pronto para contratar

O número de potenciais clientes na fase estágio da “A ideia do projeto surge” é muito maior do que os que estão na fase “Precisa de aconselhamento específico”. E claro, há mais potenciais clientes nesta mesma fase do que os prontos para contratar os serviços (fase 3).

Isto porque, à medida que estes potenciais clientes progridem através destas 3 fases, eventualmente vão encontrar uma solução para o seu problema (contratam um atelier de arquitetura) ou então decidem cancelar ou atrasar o projeto.

Então qual é o melhor conteúdo para incluir no seu website de arquitetura?

Aqui vai uma dica:

Faça o conteúdo do seu site espelhar as 3 etapas do cliente.

Como fazê-lo?

Aqui fica uma estratégia de conteúdo para um website eficaz (estas percentagens excluem a página de portfolio, que é um item separado):

80% do conteúdo tem como alvo a fase 1: “A ideia do projeto”
10% do conteúdo tem como alvo a fase 2: “Precisa de aconselhamento específico”
10% do conteúdo tem como alvo a fase 3: “Pronto para contratar”

Tudo o que é preciso fazer é ter certeza de que conteúdo do site tem como alvo todas as 3 etapas, nas proporções acima descritas.

Aqui estão alguns exemplos de conteúdos que tem como alvo essas várias etapas:

1) A ideia do projeto
Uma apresentação em slides com várias ideias de projetos
Um estudo de caso de um projeto
Infográficos

2) Precisa de aconselhamento específico
Uma oferta para uma análise de necessidades
Uma oferta para um estudo de viabilidade

3) Pronto para contratar
Detalhes do atelier e dos seus funcionários e/ou colaboradores
Depoimentos de clientes satisfeitos

Há uma série de possibilidades para criar conteúdo para o website!

Regra geral, a maioria dos sites de ateliers de arquitetura concentram-se na última categoria “pronto para contratar”.

Para terminar este artigo, aqui fica um exemplo de um título (e infografia) que teria como alvo a fase 1 “ideia do projeto”:

Será que alguém que esteja a considerar fazer uma transformação do seu escritório para um open-space, acharia esta infografia interessante?

open-plan-offices-infographic

A Internet e a pequena fortuna que se pode poupar em reparações de eletrodomésticos

Cada vez mais os nossos dias giram em torno e envolvem por um ou outro motivo, estar online. E muito desse tempo é gasto para para tirar partido das compras de um clique, e a entrega ao domicílio. É muito útil para as grandes compras de supermercado do mês, ou mesmo para refeições. No entanto, por muito tempo que a Internet nos faça gastar online, ela também nos trás outro tipo de vantagens, por exemplo, poupar uma pequena fortuna em reparação de eletrodomésticos. De seguida explicamos-lhe como.

Todos nós temos em casa máquinas de lavar, as quais já não têm garantia. E todos sabemos que é depois da garantia acabar, que os problemas começam! Nem todos temos o dom da bricolage, mas tendo acesso a instruções “decentes”, não custa nada tentar. Portanto, antes de chamar a assistência técnica, podemos procurar online, inserindo a marca, modelo e “sintomas” do aparelho. É relativamente fácil encontrar um vídeo no YouTube de alguém com o mesmo problema, e que se disponibilizou para mostrar (detalhadamente) como resolvê-lo! Exemplo no vídeo abaixo:

 

 

Normalmente, procedimentos de reparação não vêm descritos no manual de instruções. Para avarias temos apenas um número de serviço/apoio ao cliente. E todos sabemos que qualquer serviço de reparação, neste caso uma máquina de lavar (mas podia ser qualquer outro, como por exemplo uma reparação de esquentadores), anda à volta dos 100€ só pela deslocação!

Por isso, com a máquina de lavar já sem garantia e vídeo do youtube como orientação, nada como tentar fazer a reparação por si. O pior que pode acontecer, é não conseguir, e ter finalmente de a levar a uma loja especializada ou pedir que se desloquem a sua casa.

Atenção, não há necessidade nehuma de tentar uma reparação, caso esta seja, efetivamente, perigosa. Mesmo que as instruções pareçam muito boas, não há necessidade de correr riscos.

Hoje em dia a internet oferece uma série de soluções, esta é só mais uma. E nestes tempos de crise, poupar umas centenas de euros em reparações, dá sempre jeito!

 

 

Estratégia baseada em Internet Marketing ajuda a aumentar o número de turistas em Portugal

O turismo tem sido um sector chave na economia Portuguesa e a sua importância está a crescer; tendo-se aguentado bem durante a recente recessão, está rapidamente a diversificar a oferta para além das já tradicionais férias de praia. De acordo com o Conselho Mundial de Viagens e Turismo, até 2024 a indústria turística será responsável por 20 por cento dos postos de trabalho em Portugal, 13 por cento do investimento e 21 por cento das exportações e serviços.
Lisboa, que ultrapassou o Algarve em termos de número de visitantes desde o campeonato de futebol Euro 2004, é hoje um dos principais destinos conhecidos como city-break. O Porto, considerado “a segunda cidade” tornou-se um hub para as companhias aéreas de baixo custo, e tem trabalhado um nicho semelhante.

Em todo o país, spas do século 19 e casas rurais sofreram remodelações contemporâneas e estão a atrair clientes que desejam novas experiências.
Entre janeiro e julho, de acordo com o Turismo de Portugal, o número de hóspedes foi de 11,6 por cento sobre o mesmo período de 2013. Todo o sul da Europa beneficiou do impacto da primavera árabe sobre o turismo na África do norte , mas Portugal parece estar a ganhar mais negócios do que os seus rivais.
Os franceses, em particular, estão a chegar em números sem precedentes; em Lisboa são agora o maior grupo, com alguns hotéis a indicarem um aumento de 30 por cento.

Numa altura em que bons retornos de investimentos são difíceis de encontrar, a resposta tem sido fantástica.

A Deloitte, prevê a abertura de 12 novos hotéis este ano em Lisboa, quatro no centro de Portugal e 10 no Porto e Norte. Resorts novos no Algarve serão seis; até mesmo o Alentejo irá ter dois novos hotéis, ambos de cinco estrelas.

A inclusão de Lisboa nas redes de companhias aéreas de baixo orçamento »- primeiro a EasyJet, agora a Ryanair  – tem ajudado ainda mais a este aumento de volume turístico.

A forma como os potenciais turistas pesquisam e formam os seus planos de viagem mudou radicalmente, diz João Cotrim Figueiredo, presidente do Turismo de Portugal. “o turista começa a pensar que tipo de destino quer, e para decidir, vai imediatamente online, à procura de inspiração”.
“Temos a oportunidade de estar presentes quando as pessoas começam as suas pesquisas. Assim que a decisão está feita, utilizando inteligentemente (com consultoria SEO especializada) o marketing online, podemos colocar imediatamente a nossa oferta à frente do cliente”.

“A primeira parte – a escolha – fazemos com search engine optimization: e pagamos por isso”, diz João Cotrim Figueiredo. “A parte de partilha, em redes sociais, não pagamos, mas tentamos tornar as publicações virais sempre que possível, e é esse zumbido que é inestimável no sentido de garantir que o próximo potencial turista tem Portugal na cabeça ao iniciar este processo de pesquisa”.

No entanto, Portugal enfrenta alguns desafios, tais como a falta de voos directos de mercados em crescimento como a China. Também a curto prazo, as limitações do aeroporto de Lisboa, que se encontra numa área central de lisboa e sem possibilidades de expansão.
“Até o final de 2015 o aeroporto vai atingir a capacidade máxima e eles vão ter que fazer alguma coisa”, quem o garante é Nicolas Roucos, gerente do Inspira Santa Marta Hotel. Embora a crise financeira global tenha deitado por terra os planos para um novo aeroporto, a solução para este problema tem de ser encontrada. Até porque é esperado que o boom de visitantes seja ainda maior com a ajuda de uma estratégia de internet marketing . “Não é nenhum segredo que estamos a trabalhar em estreita colaboração com Google, Amazon e Facebook, de forma a tirarmos partido do conhecimento que têm do consumidor, e o usarmos para afinar as nossas estratégias de marketing”, diz João Cotrim Figueiredo.
“Esperamos continuar na vanguarda desta nova abordagem online durante os próximos anos, porque estes grandes players nos dizem que não há muitos outros países a usarem esta estratégia”.